Pouco se sabe acerca dos primeiros anos de Cipriano, exceto que ele foi educado com o propósito de tornar-se um retórico. Após passar algum tempo com Cecílio, presbítero da igreja de Cartago, professou fé em Jesus no ano 246. A partir daí, dedicou-se a estudar as Escrituras e, dois anos depois, foi consagrado como bispo de Cartago. Durante a perseguição por Décio, nos anos 250–251, Cipriano se escondeu em um lugar próximo à cidade e dali liderou a Igreja. Posteriormente, impôs condições estritas para reentrada na Igreja dos que haviam “falhado” (negado Cristo sob ameaças de morte). Mais tarde, circunstâncias o levaram a ter maior leniência. Cipriano também participou de uma controvérsia com Estêvão, bispo de Roma, acerca da validade do batismo de hereges; a controvérsia terminou no ano 257, quando Estêvão morreu. No ano seguinte, Cipriano foi exilado e decapitado. Suas obras são primariamente voltadas à administração da Igreja.

Leia agora um de seus devocionais:

Salvar o ferido

E compadecei-vos de alguns que estão na dúvida; salvai-os, arrebatando-os do fogo; quanto a outros, sede também compassivos em temor, detestando até a roupa contaminada pela carne

Judas 1:22,23

João demonstra que Jesus Cristo, o Senhor, é nosso Advogado e o Intercessor por nossos pecados. Ele diz: “Filhinhos meus, estas coisas vos escrevo para que não pequeis. Se, todavia, alguém pecar, temos Advogado junto ao Pai, Jesus Cristo, o Justo; e ele é a propiciação pelos nossos pecados”… Considerando Seu amor e misericórdia, não devemos ser amargos, cruéis ou desumanos para com quem crê. Em vez disso, devemos lamentar com quem lamenta, chorar com quem chora e levantá-los pela ajuda e o conforto de nosso amor, tanto quanto pudermos. Não devemos ser extremamente rudes ou obstinados em resistir ao seu arrependimento. Também não devemos ser demasiadamente imprudentes em permitir a comunhão de maneira livre e fácil. Um irmão ferido está no campo de batalha, atingido pelo inimigo. Ali, o diabo está tentando matar a quem feriu. Aqui, Cristo está encorajando a quem Ele redimiu a não perecer inteiramente. Qual deles nós ajudamos? De que lado ficamos? Nós favorecemos o diabo permitindo que ele destrua, negligenciando nosso irmão sem vida, como o sacerdote e o levita no evangelho de Lucas? Ou, em vez disso, como sacerdotes de Deus e de Cristo, imitamos os ensinamentos e atos de Cristo e arrebatamos o homem ferido das garras do inimigo para salvá-lo para Deus, o Juiz?

Considerando Seu amor e misericórdia, não devemos ser amargos, cruéis ou desumanos para com quem crê

Gostou? Garanta já seu exemplar!

Google Play
Apple Books
Amazon Kindle
Livro Físico