A paternidade é uma nobre missão e requer preparo, muita dedicação e certa abnegação. Ela é um dom de Deus para a criação de filhos e Ele deseja que os pais o façam de acordo com a Sua Palavra. Os pais foram comissionados para esse papel para dar direção, proteção e provisão à família, afirmando e comunicando palavras de bênção, de valor, de identidade, senso de pertencimento, de propósito e destino na vida dos filhos.

Os filhos poderão conhecer a “imagem e semelhança de Deus”, através de seu pai, e a maneira como eles veem seus pais é a maneira que terão o entendimento sobre quem é Deus. O exemplo paterno é fundamental na criação dos filhos, para uma vida de integridade moral e espiritual, com princípios e valores. E os filhos irão crescer olhando para o exemplo de seus pais como homens tementes a Deus, que os amam e que desejam vê-los felizes. Mas há algumas características essenciais para que o relacionamento entre pai e filho, ancorado na vontade do Senhor, se estabeleça de forma saudável, como compaixão, sabedoria, integridade e fé.

Essas características também são vistas na vida de alguns personagens bíblicos que são bons exemplos de paternidade.  

Era primo de Ester, mas a criou como filha. Mesmo não sendo seu pai biológico, ele tinha instinto paternal e a criou da melhor maneira. Ele também foi um pai conselheiro e sempre presente, pois era um homem muito sábio e com uma visão a longo prazo, aconselhando Ester e sempre estando presente em momentos críticos. Um bom pai precisa ser referencial para os filhos e ser conselheiro, pois se não encontram nele uma fonte de respostas para suas dúvidas e preocupações, podem se sentir perdidos.

Esse pai era um fiel intercessor fiel da vida de seus filhos. Jó orava pelos seus filhos de madrugada, pois se preocupava com eles e os tratava como prioridade, mesmo em meio aos seus compromissos. Ele também dedicava tempo para estar em família, cultivando sempre um bom relacionamento com os filhos. 

Foi um grande adorador, mas definitivamente não foi um bom pai. Ele deu péssimos exemplos aos seus filhos. Pecados como adultério, assassinato, poligamia e permissividade estavam em sua lista, o que teve impacto negativo sobre a criação de seus filhos. Davi não soube impor limites aos seus filhos, o que trouxe resultados trágicos à família do rei como estrupo, morte e revoltas. Talvez Davi pensasse que repreender era uma demonstração de falta de amor, mas cabe aos pais não pouparem os filhos da repreensão sadia sempre que necessário, pois isso é para o bem deles. Pais que amam seus filhos devem seguir as diretrizes de Deus para educá-los.

Ele foi um exemplo de pai porque em um contexto completamente desfavorável, decidiu viver de forma contrária aos padrões da época, e permanecer fiel a Deus. Não era um homem perfeito, mas fez tudo para proteger a sua família e, com coragem, ele obedeceu a Deus e, com isso, a sua família foi abençoada. Apesar das imperfeições que cada um de nós tem, é possível aprender que, como Noé, cada pai deve proteger e cuidar de sua família porque a nossa maior bênção é vê-los felizes e protegidos.

Jesus conta sobre um pai maravilhoso nessa parábola. Este foi o pai que nunca desistiu do seu filho, mesmo esse tendo partido, o pai esperou que ele voltasse. Ele esperava diariamente que o seu filho aprendesse na escola da vida as lições que não aprendera aos seus pés. Quando arrependido, o filho quis voltar para a casa do seu pai, onde tinha tudo o que precisava, voltaria para pedir-lhe perdão e um trabalho como servo. Ao retornar, o pai não condenou o filho injusto, antes fez-lhe uma grande festa. Esse foi o amor do pai. Que exemplo inspirador, o amor de Pai do nosso Deus. Que possamos, todos os dias, amar e cuidar como Ele fez e faz.

Era o chefe da sinagoga, mas num momento de necessidade soube a quem recorrer – ele foi até Jesus. Além de recorrer a Cristo, soube a maneira certa de pedir o que precisava – suplicando aos pés de Jesus. Jairo também levou Jesus até sua casa, apesar da multidão que os cercava, apesar das circunstâncias – a doença mortal de sua filha – e da incredulidade em sua casa. Jairo superou todas essas coisas, fazendo sua parte como um pai que ama e se preocupa com o bem estar de seus filhos, crendo em Jesus para salvar e trazer vida à sua filha.

Como o pai adotivo de Jesus Cristo, talvez José seja o pai menos comentado. Ele enfrentou dúvidas e dificuldades para ajudar sua noiva e, depois como sua esposa, Maria, e o bebê que ela carregava. Ele educou e cuidou de Jesus como se fosse o seu próprio filho. José ensinou a Jesus o seu ofício de carpinteiro. A Bíblia o trata como um homem justo e, da mesma forma, Jesus o via como um alguém íntegro, honesto e carinhoso.

Foi um pescador da Galileia, o pai de Tiago e João, dois dos nossos discípulos do Senhor. Ele e seus filhos trabalhavam juntos, tinham um bom empreendimento pesqueiro que era lucrativo. Quando seus filhos decidem largar a “empresa familiar” para seguir a Cristo, seu pai não os impediu. É provável que ele também cresse em Jesus e tenha ajudado financeiramente o ministério de Cristo, pois seus filhos estavam com o Mestre. Bem-aventurada a família cujos membros são todos convocados a servir ao Senhor Jesus, embora cada um receba do Senhor uma tarefa diferente a realizar.

Deus é apresentado como Pai por Jesus – Ele é a referência definitiva para a paternidade. Podemos aprender muito ao observar Seus atributos e características: Deus é um Pai amoroso: Deus é amor (1 João 4:16) e a expressão máxima desse amor aconteceu na Cruz. Deus é um Pai cuidadoso: Em todo tempo Ele está atento aos Seus filhos – por mais que as circunstâncias pareçam dizer o contrário, Deus sempre cuida de nós! Um Pai que corrige, porque todos nós seus filhos somos imperfeitos e  precisamos de correção – e por ser zeloso e cheio de amor – Deus quer ver o crescimento espiritual de Seus filhos. Se buscamos o melhor em nosso lar para os nossos filhos, nosso maior exemplo de paternidade está em nosso Pai Celestial que nos ensina dia a dia a como agir para o bem e o crescimento de nossos filhos.