Leia Eclesiastes 10:12-14

Crescendo, meus três irmãos e eu não éramos estranhos aos atritos habituais da vida cotidiana juntos, assimcomo às situações ocasionais de rivalidade entre irmãos.

Um incidente particular da minha adolescência permanece em minha mente: um momento em que reagi muito rapidamente ao que percebi como uma pequena injustiça e falei sem pleno conhecimento da situação. Senti que estava fazendo uma quantidade desproporcional de dever de casa em comparação com minha irmã, mas recebi pouco apreço por minha contribuição e decidi expressar esses pensamentos à minha mãe.

No meio do meu discurso, de repente reconheci minhas palavras, que antes soavam tão justas em minha mente, pelo que realmente eram: tolas, falsas e mesquinhas. Quando a última palavra saiu da minha boca, eu já estava começando a me arrepender de ter falado.

Ainda me lembro da expressão de dor no rosto de minha mãe quando ela me explicou que minha percepção da situação não era precisa e que ela não tinha favoritos.

Eu sabia que tinha magoado minha mãe e fui tomado pela vergonha.

Em diferentes momentos da minha vida, experiências como essas revelaram que meu coração é enganoso e propenso a reações impulsivas, e me convenceram da minha necessidade de sabedoria.

Em Eclesiastes 10:2, vemos um contraste entre o sábio e o tolo: o sábio se inclina para a direita (ou para o que é certo), enquanto o coração do tolo se desvia. O Pregador continua descrevendo os caminhos do tolo em grandes detalhes ao longo do capítulo: ele é tolo (v. 3), ignorante (v.15) e preguiçoso (v.18).

Além disso, os tolos se mostram tolos a todos (v.3). Suas palavras são muitas e improdutivas (v.14), e eles se destroem (v.12). Em contraste, as palavras dos sábios são “agradáveis” (v.12).

Então, como podemos nos comportar com sabedoria, especialmente em um mundo cheio de injustiça, onde pessoas tolas são frequentemente colocadas em posições de dignidade e poder (v.6)?

Geralmente associamos “sabedoria” com conhecimento, inteligência e discernimento. Mas Provérbios 9:10 nos diz que “o temor do SENHORé o princípio da sabedoria…”. Enquanto o tolo diz “…em seu coração: ‘Não há Deus’” (Salmo 14:1), o sábio vive com reverência a Deus, o que inspira obediência à sua vontade revelada na Bíblia.

E isso significa escolher viver de acordo com a Palavra de Deus quando estamos no meio de um conflito ou de uma situação injusta. Muitos anos depois, posso olhar para trás e ver o quanto as passagens que nos instruem sobre a sabedoria de segurar nossos lábios (Provérbios 10:19) e ser lento para falar (Tiago 1:19) me ajudaram.

Durante os momentos em que fui tentado a atacar alguém com palavras impacientes ou raivosas, sou grato pelo Espírito Santo que me ajudou a segurar minha língua e, em vez disso, me dá palavras para uma resposta gentil (Provérbios 15:1), que quase sempre evitava a raiva.

Essas ocasiões me ajudaram a resolver evitar a tolice e viver com sabedoria. Como o Pregador reflete nos versículos 6-7, conduzir-nos sabiamente nem sempre significa que necessariamente ganharemos o favor das pessoas ou evitaremos a dor, mas a Palavra de Deus prometeu que há uma grande bênção em fazer isso.

—Por Chong Shou En, Singapura

Perguntas para reflexão

Pense em uma ocasião em que você agiu tolamente no calor do momento. Após reflexão, qual teria sido a resposta mais sábia? Como uma resposta amorosa poderia ter mudado o resultado?

Quais são algumas áreas em sua vida em que você precisa se conduzir com sabedoria e amor? Compartilhe alguns deles com seu grupo, se você se sentir à vontade para fazê-lo.

Uma das características do amor, segundo a Bíblia, é que ele é paciente. Como isso se relaciona com nossas reações aos outros, especialmente no local de trabalho?

Desenvolver um espírito amoroso como seguidor de Cristo é um processo para toda a vida. Como você pode inspirar outras pessoas ao seu redor a desenvolver um caráter amoroso, e como seu relacionamento com Jesus deve afetar essa mudança?