Salva-nos, SENHOR, nosso Deus, e congrega-nos de entre as nações, para que demos graças ao teu santo nome e nos gloriemos no teu louvor. —SALMO 106:47

Ainda que a oração esteja adequadamente restrita a votos e súplicas, é tão forte a afinidade entre petição e ação de graças, que ambas podem ser convenientemente compreendidas pelo mesmo nome. Pela oração e súplica nós derramamos nossos desejos diante de Deus pedindo também aquilo que tende a promover Sua glória e manifestar Seu nome, assim como os favores que contribuem para nosso benefício. Pela ação de graças, nós celebramos devidamente Sua bondade para conosco, atribuindo à Sua generosidade todas as bênçãos inscritas em nosso destino. Nós já descrevemos a magnitude de nossa necessidade, à medida que a experiência em si proclama serem tão numerosas e imensas as dificuldades que nos pressionam por todos os lados a ponto de que todos nós temos motivos para enviar suspiros e gemidos a Deus ininterruptamente. Pois ainda que haja isenção da adversidade para os mais santos, eles ainda devem ser estimulados — primeiro por seu pecado e, depois, pelos inúmeros assaltos de tentação — a ansiar por retificação. O sacrifício de louvor e ação de graças não pode jamais ser interrompido sem culpa, visto que Deus nunca deixa de nos carregar de favor em favor, de modo a nos forçar à gratidão, independentemente do quão lentos e letárgicos sejamos. Em suma, tão larga e amplamente difundidas são as riquezas de Sua caridade para conosco, tão extraordinários e admiráveis os milagres que contemplamos por todos os lados de modo que nunca temos falta de tema ou elementos para louvor e ação de graças.

Considerando que todas as nossas esperanças e recursos estão em Deus, nem nosso ser, nem nossos interesses podem prosperar sem a bênção dele; devemos submeter constantemente todo o nosso ser e tudo o que temos a Ele. Então, tudo o que deliberarmos, falarmos ou fizermos deveria ser deliberado, falado ou feito sob a Sua mão e vontade — essencialmente, sob a esperança de Seu apoio. E dado que Ele recebe a honra devida quando é reconhecido como autor de todo o bem, segue que devemos continuamente expressar a nossa gratidão e que não temos direito de utilizar os benefícios que procedem da Sua caridade se não proclamarmos diligentemente o Seu louvor e dermos graças a Ele.

Dia a dia com Calvino

Artigo retirado de trecho do devocional

Dia a dia com Calvino

Artigo retirado de trecho do devocional