Segundo tipo mais frequente no mundo, o câncer de mama é um tumor maligno que se desenvolve devido a alterações genéticas nas células mamárias, que sofrem um crescimento anormal. É o mais comum entre as mulheres, respondendo por 22% dos casos novos a cada ano. Se diagnosticado precocemente e tratado oportunamente, o prognóstico é positivo e a chance de cura é alta.No Brasil, as taxas de mortalidade por câncer de mama continuam elevadas, muito provavelmente porque a doença ainda é diagnosticada em estádios avançados. Na população mundial, a sobrevida média após cinco anos é de 61%.Relativamente raro antes dos 35 anos, acima desta faixa etária sua incidência cresce rápida e progressivamente. Estatísticas indicam aumento de sua incidência tanto nos países desenvolvidos quanto nos em desenvolvimento. 

PREVENÇÃO

Evitar a obesidade, através de uma alimentação equilibrada e prática regular de exercícios físicos, é uma recomendação básica para prevenir o câncer de mama, já que o excesso de peso aumenta o risco de desenvolver a doença. A ingestão de álcool, mesmo em quantidade moderada, é contraindicada, pois é fator de risco para esse tipo de tumor.

AUTOEXAME DAS MAMAS

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) não estimula o autoexame das mamas como método isolado de detecção precoce do câncer de mama. A recomendação é que o exame das mamas pela própria mulher faça parte das ações de educação para a saúde que contemplem o conhecimento do próprio corpo. No entanto, ele não substitui o exame físico realizado por profissional de saúde qualificado para esse procedimento.

O autoexame não substitui o exame físico realizado por profissional de saúde qualificado para esse procedimento

SINTOMAS

Podem surgir alterações na pele que recobre a mama, como abaulamentos ou retrações, inclusive no mamilo, ou aspecto semelhante a casca de laranja. Secreção no mamilo também é um sinal de alerta. O sintoma do câncer palpável é o nódulo (caroço) no seio, acompanhado ou não de dor mamária. Podem também surgir nódulos palpáveis na axila.

DETECÇÃO PRECOCE

Embora a hereditariedade seja responsável por apenas 10% do total de casos, mulheres com história familiar de câncer de mama, especialmente se uma ou mais parentes de primeiro grau (mãe ou irmãs) foram acometidas antes dos 50 anos, apresentam maior risco de desenvolver a doença. Esse grupo deve ser acompanhado por médico a partir dos 35 anos. É o profissional de saúde quem vai decidir quais exames a paciente deverá fazer. Primeira menstruação precoce, menopausa tardia (após os 50 anos), primeira gravidez após os 30 anos e não ter tido filhos também constituem fatores de risco para o câncer de mama. Mulheres que se encaixem nesses perfis também devem buscar orientação médica. As formas mais eficazes para a detecção precoce do câncer de mama são o exame clínico e a mamografia. 

EXAME CLÍNICO DAS MAMAS (ECM)

Quando realizado por um médico ou enfermeira treinados, pode detectar tumor de até 1 (um) centímetro, se superficial. 

MAMOGRAFIA

A mamografia (radiografia da mama) permite a detecção precoce do câncer, ao mostrar lesões em fase inicial, muito pequenas (medindo milímetros). Deve ser realizada a cada dois anos por mulheres entre 50e 69 anos, ou segundo recomendação médica.

É realizada em um aparelho de raioX apropriado, chamado mamógrafo. Nele, a mama é comprimida de forma a fornecer melhores imagens, e, portanto, melhor capacidade de diagnóstico. O desconforto provocado é suportável.

Deus tinha outros planos

A pessoa faz os seus planos, mas quem dirige a sua vida é Deus, o Senhor. Provérbios 16:9

Minha amiga Luísa cresceu planejando se tornar uma médica missionária. Ela amava o Senhor e queria servi-lo com essa profissão, levando o evangelho aos doentes em partes do mundo onde os cuidados médicos fossem inacessíveis. Mas Deus tinha outros planos. Ela se tornou uma missionária, mas não da maneira como esperava inicialmente.

Aos 14 anos, Luísa desenvolveu um problema crônico de saúde que a fez ser hospitalizada diversas vezes por ano por causa de uma grande cirurgia. Ela sobreviveu à meningite bacteriana, que a deixou em coma por duas semanas e cega por seis meses. Por duas vezes, ela comemorou o seu aniversário no hospital, sem ir para casa entre essas datas. Ela teve muitas experiências quando não havia expectativas de vida. Mas ainda assim, Luísa é a pessoa mais vibrante, agradecida e atenciosa que você jamais conhecerá. Certa vez, ela me disse que o seu campo missionário é o hospital, como ela tinha esperado e planejado. Mas em vez de servir ao Senhor como médica, ela o serve como paciente. Não importa o quão doente ela possa estar, a luz do Senhor brilha em suavida.

Luísa exemplifica o ensinamento do apóstolo Pedro. Apesar de suas provações, ela se alegra e a sua fé genuína traz “aprovação, glória e honra” a Jesus Cristo (1 Pedro 1:6,7). —Julie Ackerman Link

Escreva os seus planos à lápis e lembre-se de que Deus tem a borracha