Deus não prometeu nada que Ele não queira cumprir e não encorajou qualquer esperança à qual não queira corresponder. Contemplar a promessa em si é bom para os olhos da fé; quanto mais estudarmos as palavras de graça, mais graça iremos obter das palavras. 

Charles Spurgeon deixou para nós seu livro Promessas de Deus, onde acrescenta aos trechos bíblicos testemunhos pessoais, resultado da provação e da experiência pessoal. Spurgeon diz: “Meus irmãos, Deus é bom. Ele não os abandonará, Ele os sustentará até o fim. Há uma promessa preparada para suas emergências atuais; e, se você crer e pleiteá-la diante do trono de misericórdia por meio de Jesus Cristo, verá a mão do SENHOR estendida para auxiliá-lo. Todo o restante falhará, mas Sua Palavra nunca.”

Vamos conferir algumas promessas?

Naquele dia, farei a favor dela aliança com as bestas-feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra; e tirarei desta o arco, e a espada, e a guerra e farei o meu povo repousar em segurança. OSEIAS 2:18

Sim, os santos devem ter paz. A passagem da qual essa graciosa palavra é extraída fala de paz “…com as bestas-feras do campo, e com as aves do céu, e com os répteis da terra…”. Isso é paz com inimigos terrenos, com males misteriosos e com pequenos aborrecimentos! Qualquer um destes pode nos impedir de repousarmos, mas nenhum deles, de fato, conseguirá fazê-lo. O SENHOR destruirá essas coisas que ameaçam Seu povo: “…tirarei desta o arco, e a espada, e a guerra…”. A paz será, de fato, profunda quando todos os instrumentos de intranquilidade forem despedaçados.

Com esta paz virá o descanso: “…aos seus amados ele o dá enquanto dormem” (SALMO 127:2). Plenamente supridos e divinamente aquietados, cristãos se deitam em tranquilo repouso.

Tal descanso será seguro. Uma coisa é deitar-se, mas outra muito diferente é “repousar em segurança”. Somos levados à terra da promessa, à casa do Pai, aos aposentos do amor e ao seio de Cristo. Certamente podemos agora “repousar em segurança”. É mais seguro para um cristão repousar em paz do que sentar-se e preocupar-se.

“Ele me faz repousar em pastos verdejantes…” (SALMO 23:2). Nunca descansamos até que o Consolador nos faça repousar.

A alma generosa prosperará, e quem dá a beber será dessedentado. PROVÉRBIOS 11:25

Ocorrendo que eu, cuidadosamente, dê atenção a outros, Deus me dará atenção e de uma forma ou outra me recompensará. Caso eu considere os pobres, o SENHOR me considerará. Caso eu zele pelas crianças, o SENHOR me tratará como Seu filho. Alimente eu o Seu rebanho, e Ele me alimentará. Regue eu o Seu jardim, e Ele fará de minha alma um jardim regado. Essa é a promessa do próprio SENHOR; minha é a incumbência de cumprir a condição, e assim esperar que ela se realize.

E poderei preocupar-me comigo até que atinja estado mórbido; posso zelar por meus próprios sentimentos até que nada sinta e posso lamentar minha fraqueza até que fique fraco demais para lamentar. Será muito mais benéfico para mim tornar-me altruísta e, por amor a meu SENHOR Jesus, passar a preocupar-me com a alma daqueles ao meu redor. Meu reservatório está atingindo nível reduzido, não há chuva fresca que venha enchê-lo, o que devo fazer? Abrirei o tampão e deixarei que seu conteúdo flua para regar as plantas murchas ao meu redor. O que vejo? Minha cisterna parece ser cheia conforme seu conteúdo flui. Uma fonte secreta está em ação. Enquanto eu permanecia estagnado, a fonte fresca estava selada, mas, à medida que minhas reservas escoam para irrigar outros, o SENHOR pensa em mim. Aleluia!

E lhes enxugará dos olhos toda lágrima, e a morte já não existirá, já não haverá luto, nem pranto, nem dor, porque as primeiras coisas passaram. APOCALIPSE 21:4

Sim, chegaremos a esse ponto se somos cristãos. O luto cessará e as lágrimas serão enxugadas. Este é o mundo do pranto, mas passa. Haverá novo Céu e nova Terra, assim diz o primeiro versículo do referido capítulo e, portanto, nada haverá pelo que prantear com relação à Queda e suas consequentes misérias. Leia o segundo versículo e note como fala da Noiva e seu casamento. A boda do Cordeiro é um tempo de alegria ilimitado e as lágrimas não terão lugar ali. O terceiro versículo diz que o próprio Deus habitará entre os homens; e certamente à Sua destra há deleite para todo o sempre, e as lágrimas já não mais podem fluir.

Qual será nosso estado quando não houver mais luto, nem choro, nem dor alguma? Será mais glorioso do que podemos imaginar agora. Ó, olhos que agora avermelham-se pelo pranto, cessem seu fluxo escaldante, pois, em pouco tempo, vocês não mais conhecerão lágrimas! Ninguém pode enxugar lágrimas como o Deus de amor, e Ele está se aproximando para fazê-lo. “…Ao anoitecer, pode vir o choro, mas a alegria vem pela manhã” (SALMO 30:5).

Venha, Senhor, e não se demore

pois ainda homens e mulheres pranteiam!

Ele acode à vontade dos que o temem; atende-lhes o clamor e os salva. SALMO 145:19

Seu próprio Espírito forjou este desejo em nós e, portanto, Ele responderá. É a Sua própria vida em nosso interior que motiva o clamor e, portanto, Ele ouvirá. Aqueles que o temem são homens sob a influência mais santa e, portanto, seu desejo é glorificar a Deus e dele desfrutar para sempre. Como Daniel, são homens de desejos, e o Senhor os fará realizar suas pretensões.

Desejos santos são graça em forma de planta e o Agricultor celestial os cultivará até que atinjam estado de grão cheio na espiga. Homens tementes a Deus desejam ser santos, ser úteis, ser uma bênção para outros e assim honrar seu SENHOR. Eles desejam suprimentos para suas necessidades, auxílio quando sob fardos, orientação na perplexidade, libertação na angústia, e certas vezes este desejo é tão forte e sua situação é tão premente que clamam em agonia como crianças com dores e, então, o SENHOR age sobremodo compreensivamente e faz tudo o que é necessário segundo esta Palavra: “…e os salva”.

É certo que se tememos a Deus nada mais temos a temer; se clamamos ao SENHOR, nossa salvação é certa.

Que o leitor tenha esse texto em sua língua e o mantenha em sua boca durante o dia, e será para ele como “favos de mel”.

Não vos deixarei órfãos, voltarei para vós outros… JOÃO 14:18

Ele nos deixou, contudo não fomos deixados órfãos. Ele é nosso consolo e Ele se foi, mas não estamos desconsolados. Nosso consolo é que Ele voltará para nós, e isso é consolação suficiente para nos manter durante Sua prolongada ausência. Jesus já está a caminho: “Venho sem demora…” (APOCALIPSE 3:11). Ele vem cavalgando até nós. Ele diz: “Voltarei”, e ninguém pode impedir Sua vinda ou atrasá-la em um quarto de hora. Ele diz especificamente: “…voltarei para vós…”, e assim o fará. Sua vinda é especialmente para e por Seu povo. Diz isso para consolar o Seu povo enquanto eles lamentam pela demora do Noivo.

Quando perdemos a consciência jubilosa de Sua presença, lamentamos, mas não devemos sofrer como se não houvesse esperança. Nosso SENHOR, em uma breve ira, escondeu-se de nós por um momento; mas Ele retornará em favor pleno. Ele nos deixa, em certo sentido, mas somente em um sentido. Quando Ele se retira, deixa uma garantia de que voltará. Venha depressa, ó SENHOR! Não há vida nessa existência terrena se o SENHOR não estiver aqui. Suspiramos pelo retorno de Seu doce sorriso. Quando o SENHOR virá a nós? Estamos certos de que o SENHOR aparecerá, mas seja como uma corça ou um jovem cervo.

Não tarde, ó nosso Deus!

Promessas de Deus

Artigo retirado de trechos do devocional

Promessas de Deus

Artigo retirado de trechos do devocional